Início » Frango Caipira

Frango Caipira

COMO CAVALIERE TEM CRIADO O  FRANGO CAIPIRA Localização: Feira de Santana – Ba \\\ Fone: *75* 9223-0051 ou *75* 8300-4509

Conheça as alternativas que promovem lucro aos produtores

A galinha caipira pode ser criada de várias maneiras possíveis, desde a criação de subsistência até a comercial com fins lucrativos. Neste texto, será apresentado o sistema semi-confinado padrão Label-Rouge, que também serve como referência para a criação de fundo de quintal.

Os produtores que desejam ter uma criação de fundo de quintal, mas que seja produtiva, devem obter galinhas caipiras com um bom galo de raça (Plymout Rock Barrada, New Hampshire ou Rhodes). Juntos, as caipiras e o galo certamente farão o galinheiro funcionar, facilitando o manejo.

O ideal seria inicialmente dez frangas no início de postura com sete meses para um galo já adulto de 1 a 2 anos de idade. Para os criadores mais experientes a raça do galo pode ser qualquer uma das três, de dupla aptdão puros, dando preferência aos altos, com pernas compridas, canelas grossas, peito largo e olhos muito vivos. Quantos às caipiras, recomenda-se não comprar de um mesmo criador, a fim de garantir a variedade na produção e evitar doenças consanguíneas.

Avicultura alternativa

Uma outra forma de criação é a profissional, conhecida como avicultura alternativa, onde o criador inicialmente comprará os pintinhos já sexados, com a finalidade de engorda e abate ou de fazer seu próprio plantel com incubadoras artificial. Se o produtor comprar a linhagem label-rouge, paraíso pedrês ou outras linhagens aprovadas, deve obter galos puros das raças

plymouth rockbarrada, new hampshare e rhodes. Dessa forma, o cruzamento garantirá alta produtividade.

Construção do galpão

Uma das inúmeras diferenças do frango caipira brasileiro para o frango de corte tradicional é que pode ser criado solto, confinado ou mesmo semi-confinado, dependendo do interesse do criador. Partindo deste conceito, o galpão pode ser novo ou uma antiga instalação da propriedade. Todo local coberto e cercado torna-se um galpão em potencial, dependendo apenas da quantidade que se deseja criar e a que fim se destinará.

Uma boa recomendação que deve ser seguida na construção do galpão é orientar a sua cunheira no sentido leste-oeste. Dessa maneira, haverá menor incidência de sol no interior do galpão na época de calor e mais insolação nos períodos de frio. O galpão deve estar localizado em um local de fácil acesso. Outro fator importante são as cortinas de proteção contra frio e chuva, que podem ser feitas de sacos plásticos de ração, bambu, sapé, madeira e ráfia, desde que sejam seguros e permitam a passagem de luz solar para o interior do aviário. O manejo das cortinas é muito importante, pois através delas, a umidade e a temperatura interna do galpão são controladas.

Nos primeiros 10 a 15 dias de vida das aves, recomenda-se que as cortinas fiquem levantadas. Depois que as aves estão empenadas, deve-se manter as cortinas abaixadas, levantando somente nos horários frios, durante chuvas ou ventos mais fortes.

Os piquetes para pastagens das aves é recomendável, podendo ficar ao lado dos galpões. Não pode faltar sombra e água, de preferência corrente. A formação dos piquetes tem o papel fundamental nesse estilo de criação, já que a ave precisa de espaço para andar e desenvolver sua musculatura. Os capins e gramas mais usados para piquetes são os mais protéicos, como coast- cross ou tiffiton, quicuio, napier e a grama estrela africana.

O frango caipira necessita, depois de 30 dias, de dois tipos de comedouros: um para ração comercial e outro para ração alternativa. O processo de alimentação desta ave, nos primeiros dez dias segue o tradicional. Usam-se bandejas ou comedouros tubulares infantis que são gradativamente substituídos por comedouros adultos.

Manejo Físico

Um hidrante deve fornecer a primeira água a ser consumida pelas aves, que pode ser comercial ou caseiro (300g de açúcar/6 litros de água). Além disso, as aves podem ser alojadas em pinteiros ou criadas diretamente nos galpões nos

círculos de eucatex com aquecedores ou campânulas de gás, resistência elétrica ou lâmpadas infra-vermelho nos primeiros trinta dias.

A partir da terceira semana, recomenda-se que as aves sejam liberadas pela manhã para um passeio, visando o desenvolvimento da musculatura, à tarde devem ser recolhidas. Um programa de iluminação é necessário para desenvolvimento sexual das aves, maior uniformidade e maior produção. Isso pode ser feito com lâmpadas de 60 watts dispostas a 2 metros da entrada do galinheiro, com 4 metros de distância uma das outras e 3 metros de altura.

Nas primeiras 8 semanas de vida da ave – luz natural; De 9 a 16 semanas – 12 horas de luz; De 17 a 18 semanas – 14 horas de luz; De 19 a 75 semanas – 17 horas de luz. A cama no galpão deve ser feita com maravalha de forma uniforme com aproximadamente oito centímetros de espessura. Se desejar incubar os ovos, a temperatura da incubadeira deve ficar aos 38° C com umidade relativa do ar de 65% e viragem dos ovos pelo menos três vezes ao dia ou no sistema automático de 2 em 2 horas a partir do 1º ao 18º dia de incubação, sendo que o período para incubação é de 21 dias.

Os ovos devem ser limpos se estiverem sujos e só podem ser colocados na incubadeira depois de 7 dias e nunca depois do 10° dia (em condição normal de temperatura ambiente). Além disso, deve ser virado pelo menos uma vez ao dia – esse período dos 7 dias é para formação completa da câmera de ar dentro do ovo que o pintinho utilizará.

Principais procedimentos de manejo sanitário

A higienização dentro e fora do galpão, independente do seu tamanho é importantíssima, pois evita diversos problemas sanitários na criação:

Manter os galpões sempre limpos e desinfetados a cada criada

Deixar o galpão vazio pelo menos por 15 dias após a desinfecção

Aplicar corretamente as vacinas e medicamentos necessários

Evitar o trânsito de pessoas e animais ao redor do galpão

Não guarde restos de cama do lote anterior

Ter pedilúvios e rodolúvios em todas as entradas e saídas das instalações

Recolher aves mortas se possível incinerá-las

Fazer o controle de insetos e roedores nas instalações

Como proceder com a limpeza e desinfecção das instalações:

Retirar toda a cama antiga

Passar lança chamas em todo o chão do galpão

Lavar o galpão com água e sabão

Pulverizar com desinfetante (Formol 5% a 8%)

Desinfetar todos equipamentos do galpão

Recolher entulhos ao redor do galpão

Manter os equipamentos em perfeito estado

Colocar veneno de rato e inseticida (dentro do galpão “Cuidado”)

Só liberar o galpão depois de 15 dias para nova criada.

Atenção: Consulte um veterinário para saber quais são os períodos indicados e quais substâncias devem ser utilizadas para a vacinação das aves.

font: www.cavalierecriações.wordpress.com


Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

Seguir

Obtenha todo post novo entregue na sua caixa de entrada.

%d blogueiros gostam disto: